VUNESP – IAMSP/PREVENIR 2011 – Questão 51

51. Mariana, 3 anos de idade, apresenta diagnóstico de paralisia cerebral espástica diparética. Durante a avaliação fisioterapêutica, foi observado que Mariana senta com retroversão pélvica, flexão da coluna lombar e aumento da cifose torácica, não realiza o semiajoelhado para atingir a posição em pé, deambula com apoio apresentando flexão, adução e rotação medial de quadris, flexão de joelho e pés em equino. Mariana realiza fisioterapia com base no Conceito Neuroevolutivo Bobath. Quais as estratégias que esse conceito utiliza para inibir padrões posturais da atividade reflexa anormal e facilitar padrões posturais de movimento?

(A) Pontos chaves, reflexo de estiramento, co-contração (aproximação articular) e exercícios de fortalecimento muscular com resistência manual.

(B) Pontos chaves, tapping, co-contração (aproximação articular), estimulação das reações de endireitamento e equilíbrio nas diversas etapas do desenvolvimento motor.

(C) Reflexos de estiramento, resistência manual, estimulação das reações de endireitamento e equilíbrio nas diversas etapas do desenvolvimento motor.

(D) Reflexo de estiramento durante o arco de movimento, pontos chaves, tapping e co-contração (aproximação articular).

(E) Pontos chaves associados ao reflexo de estiramentos, estimulação das reações de endireitamento e equilíbrio nas diversas etapas do desenvolvimento motor.

i51

No método Bobath não há resistência manual, eliminando as alternativas “A” e “C”. Das demais alternativas, a “B” é completa e as alternativas “D” e “E” são propositalmente incompletas. Fácil de resolver essa.

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: B

Alternativa que indico após analisar: B

FCC – TRT 3 2009 – Questão 44

44. Considere:

I. Orientação à linha média.

II. Assimetria.

III. Variação do posicionamento para promover um bom formato da cabeça.

IV. Consideração das necessidades respiratórias em oposição às necessidades de desenvolvimento.

Para auxiliar a respiração, minimizar a deformidade postural, promover a estabilidade fisiológica e facilitar as estratégias de autorregulação de bebês de uma UTI neonatal devem ser utilizados os princípios de posicionamento constantes APENAS em

(A) III e IV.

(B) II e III.

(C) I, II e IV.

(D) I, III e IV.

(E) I e II.

saiba-tudo-sobre-a-moleira-do-bebê21

Se eliminarmos a assertiva II, que considera a assimetria como conduta desejável, já eliminamos “B”, “C” e “E”.

Das restantes, a alternativa “A” desconsidera a orientação à linha média, o que é errado. Só resta a “D”.

A assertiva IV é um pouco estranha, afinal são condutas que não são antagonicas, mas ainda assim é o que sobra.

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: D

Alternativa que indico após analisar: D

 

FCC – TRT 3 2009 – Questão 43

43. Doença de Perthes ou Legg-Calvé-Perthes é uma necrose idiopática juvenil da cabeça do fêmur. Há um infarto seguido por um colapso, fragmentação da cabeça do fêmur e, por fim, uma cicatrização gradual. As crianças com doença de Perthes tendem a desenvolver uma postura em flexão e adução de quadril. Nesses quadros, o programa de exercícios, além de encorajar o quadril a remodelar como uma articulação congruente, deverá focar o ganho de força e a manutenção da amplitude de

(A) rotação medial e lateral de quadril.

(B) flexão e adução de quadril.

(C) rotação lateral e flexão de quadril.

(D) adução e rotação medial de quadril.

(E) abdução e extensão do quadril.

i43

Tendo a desconfiar de respostas óbvias, por parecerem pegadinha. Mas em alguns casos não tem jeito, ás vezes a pegadinha é justamente confundir e fazer parecer que a resposta óbvia é incorreta.

Aqui, temos como condutas o oposto do encurtamento patológico. Claro que não é a única, mas é o que a questão pede.

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: E

Alternativa que indico após analisar: E

FCC – TRT 3 2009 – Questão 42

42. Uma criança com diagnóstico de mielomeningocele poderá apresentar, associado, um quadro clínico de

(A) hidrocefalia.

(B) microcefalia.

(C) panencefalite.

(D) anencefalia.

(E) encefalite.

moms-fetal-spina-inline.png

MIELOMENINGOCELE – é a forma mais comum de espinha bífida cística e também a mais grave. Além das anomalias espinhais, a porção malformada da medula espinhal se exterioriza pelo defeito e fica exposta ao ambiente. A mielomeningocele é geralmente revestida por um cisto desprovido de pele íntegra, que contem líquido céfalo-raquidiano (LCR) em seu interior. Nestes casos, pode haver contaminação do sistema nervoso por bactérias, daí a necessidade de correção cirúrgica. Mais de 80% dos portadores de mielomeningocele têm hidrocefalia associada.

Fonte: SBNPed

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: A

Alternativa que indico após analisar: A

Aeronáutica – EAOT 2002 – Questão 22

22 – Em crianças com menos de 5 anos de idade, as provas (testes) manuais de função muscular representam um desafio para os fisioterapeutas. Com relação à afirmativa acima, NÃO é correto afirmar que

a) a quantidade de resistência a ser aplicada para obter um grau normal ou bom pode ser determinada seja observando a criança, seja determinando a capacidade da criança em movimentar-se contra a resistência de um pequeno peso colocado sobre a extremidade ou uma parte corporal da mesma durante o movimento.

b) um grau regular é definido como a capacidade do músculo ou do grupo muscular em movimentar uma parte através da amplitude completa do movimento contra a gravidade (movimento vertical).

c) um método alternativo de descrever a força muscular consiste em caracterizar a fraqueza em um grupo muscular como mínima, ligeira, moderada ou severa.

d) os músculos isolados são graduados durante a avaliação funcional que envolve movimentos induzidos ou durante as atividades lúdicas.

i22

Inicialmente, sem pensar muito, é fácil escolher a alternativa “C” aqui. Mas como forma alternativa de se avaliar pode até estar correto. Alternativa “A” OK, é importante observar crianças pequenas antes de um teste de resistência. Na “B”, tudo certo, inclusive essa alternativa valida a “C”.

Mas a alternativa “D” é indefensável. Impossível avaliar isoladamente um músculo em atividades funcionais ou lúdicas, pois veremos a ação desse músculo e a dos sinergistas também. Em testes específicos já não é simples isolar um músculo apenas, imaginem durante uma atividade funcional em que todos os músculos do segmento trabalham para executar movimentos articulares variados. Não há como.

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: D

Alternativa que indico após analisar: D

FCC – TRE 13 2007 – Questão 41

41. A ausência da resposta do reflexo cutâneo abdominal indicará

(A) lesão do neurônio motor superior se a ausência for bilateral, e lesão do neurônio motor inferior de T7 a L2 se a ausência for unilateral.

(B) lesão do neurônio motor superior se a ausência for unilateral, e lesão do neurônio motor inferior de T7 a L2 se a ausência for bilateral.

(C) lesão do neurônio motor superior se a ausência for bilateral, e lesão do neurônio motor inferior de T7 a L2 se a ausência for contralateral.

(D) lesão do neurônio motor superior se a ausência for contralateral, e lesão do neurônio motor inferior de T7 a L2 se a ausência for unilateral.

(E) lesão do neurônio motor superior e do neurônio motor inferior de T7 a L2 se a ausência for bilateral.

LENHADOR.png

Engraçado que a FCC, uma banca reconhecidamente séria, repetiu algumas questões no ano de 2007. Na verdade embaralharam algumas coisas, mas o tema foi o mesmo.

http://www.mediafire.com/download/m6koq68hdlp2o4z/REFLEXOS+MEDULARES+%281%29.pdf

https://questoesdefisiocomentadas.wordpress.com/2015/11/22/fcc-trt-6-2007-questao-45/

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: A

Alternativa que indico após analisar: A

FCC – TRT 6 2007 – Questão 47

47. A mielomeningocele é a anomalia mais grave e mais freqüente decorrente do não fechamento do tubo neural, no período intra-uterino. Esta anomalia acontece no

(A) 1o mês.

(B) 2o mês.

(C) 3o mês.

(D) 4o mês.

(E) 5o mês.

neurosubir7

Por dr Allyson Bernardo dos Santos
A mielomeningocele é uma malformação embrionária do sistema nervoso central que ocorre nas primeiras quatro semanas de gestação decorrente de uma falha no fechamento do tubo neural resultando numa abertura vertebral, músculo-fascial, cutânea e dural com protrusão e exposição da medula espinhal que se encontra aberta em forma plana, recebendo neste local a denominação de placa neural. Disto resulta numa alteração funcional da medula espinhal em graus variados, na dependência do nível medular em que ocorre, lesões localizadas em segmentos medulares mais craniais determinam maiores prejuízos neurológicos.

Dica by André sobre formação do tubo neural:

https://www.famema.br/ensino/embriologia/sistemaneurologico.php

Referência:
Jorge W. Junqueira Bizzi, Alessandro Machado. Mielomeningocele: conceitos básicos e avanços recentes. Volume 23 – nº 2 – abril / maio / junho 2012.
Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: A

Alternativa que indico após analisar: A