VUNESP – IAMSP/PREVENIR 2011 – Questão 38

38. Durante o retorno ao trabalho, após um período de tratamento de tendinite de origem ocupacional, o fisioterapeuta do trabalho deve orientar o trabalhador sobre o número de toques máximos que ele pode realizar em uma tarefa de digitação, que corresponde a quantos toques por hora?

(A) 6 000.

(B) 7 000.

(C) 8 000.

(D) 9 000.

(E) 10 000.

i38

Há um erro grosseiro da banca aqui. Vejam nas normas da NR-17 que os níveis para retorno ao trabalho ou afastamento superior a 15 dias devem ser inferiores à alínea “b”, e essa alínea diz 8.000 toques.

Portanto, apenas as alternativas “A” e “B” estariam dentro das normas para retorno ao trabalho de digitação.

A Norma Regulamentar nº 17, em seu item 17.6.4, especificou o trabalho dos digitadores, nos seguintes termos:

“Nas atividades de processamento eletrônico de dados deve-se, salvo o disposto em convenções e acordos coletivos de trabalho, observar o seguinte:

a) o empregador não deve promover qualquer sistema de avaliação dos trabalhadores envolvidos nas atividades de digitação, baseado no número individual de toques sobre o teclado, inclusive o automatizado, para efeito de remuneração e vantagens de qualquer espécie;

b) o número máximo de toques reais exigidos pelo empregador não deve ser superior a 8.000 por hora trabalhada, sendo considerado toque real, para efeito desta NR, cada movimento de pressão sobre o teclado;

c) o tempo efetivo de trabalho de entrada de dados não deve exceder o limite máximo de 5 (cinco) horas, sendo que no período de tempo restante da jornada, o trabalhador poderá exercer outras atividades, observado o disposto no art. 468 da Consolidação das Leis do Trabalho, desde que não exijam movimentos repetitivos, nem esforço visual;

d) nas atividades de entrada de dados deve haver, no mínimo, uma pausa de 10 minutos para cada 50 minutos trabalhados, não deduzidos da jornada normal de trabalho;

e) quando do retorno ao trabalho, após qualquer tipo de afastamento igual ou superior a 15 (quinze) dias, a exigência de produção em relação ao número de toques deverá ser iniciada em níveis inferiores ao máximo estabelecido na alínea “b” e ser ampliada progressivamente”.

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: C

Alternativa que indico após analisar: A ou B

VUNESP – IAMSP/PREVENIR 2011 – Questão 29

29. Os três pilares do Plano Estadual de Ação para a Garantia de Direitos das Pessoas com Deficiência – 2008/2010 são:

(A) Empregabilidade; Consagração dos Direitos Básicos da Cidadania; Comprometimento e Mobilização do Conjunto da Sociedade.

(B) Consagração dos Direitos Básicos da Cidadania; Comprometimento e Mobilização do Conjunto da Sociedade; Integração e Multidimensionalidade das medidas econômicas, sociais e ambientais.

(C) Empregabilidade; Acesso Igualitário e Universal; Tecnologias.

(D) Consagração dos Direitos Básicos da Cidadania; Comprometimento e Mobilização do Conjunto da Sociedade; Acesso Igualitário e Universal.

(E) Empregabilidade; Comprometimento e Mobilização do Conjunto da Sociedade; Tecnologias.

Trabalho e email

Por dr. Allyson Bernardo dos Santos

Em virtude do cenário atual definimos 3 Pilares que sustentam a política de inclusão das Pessoas Com Deficiência de forma ativa:

1) Empregabilidade – inclusão pelo trabalho no mercado convencional, por meio dos mecanismos de geração de renda;

2) Acesso Igualitário e Universal – acesso a sistemas, produtos e serviços de habitação, cultura, educação, saúde e transporte com garantia de usabilidade;

3) Tecnologias – desenvolvimento de tecnologias com ênfase na vida independente, independência funcional e interação social.

Plano Estadual de Ação para a Garantia de Direitos das Pessoas com Deficiência – 2008/2010

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: C

Alternativa que indico após analisar: C