FCC – TRT 3 2009 – Questão 30

30. A queda de temperatura na pele após a aplicação de uma bolsa de gelo em uma temperatura de contato que varia entre 0° e 3°, aplicada durante 10 minutos, é de cerca de

(A) 5°

(B) 10°

(C) 15°

(D) 20°

(E) 25°

QUENTE

Já comentei aqui sobre a bolsa de gel ser menos eficiente no final dos 20 minutos de crioterapia, apesar de reduzir mais a temperatura no início, em comparação ao gelo. Vocês podem conferir isso nos trechos do artigo que transcrevi abaixo.

Sobre a questão do enunciado, não cheguei a uma conclusão. A banca usou uma bibliografia sobre algo e cravou nessa questão, mas há algumas variáveis decisivas, como a temperatura ambiente e a região corporal. Chutaria 15º ou 20º.

Delisa fala que com a aplicação do gelo a temperatura da pele inicialmente diminui rapidamente e em seguida mais lentamente aproximando-se de um equilíbrio em cerca de 12 a 13º C em 10 minutos. As temperaturas subcutâneas declinam mais lentamente e diminuem de 3 a 5º C em 10 minutos. Profundamente as temperaturas intramusculares diminuem menos e após 10 minutos tem perda de 1º C ou menos. Resfriamento por longos períodos geram resfriamento mais pronunciado com temperaturas intramusculares do antebraço diminuindo de 6 a 16º C após 20 minutos à 3 horas de resfriamento. Após decorrido as primeiras 48 horas o uso da crioterapia é de preferência, após esse período a utilização do gelo por 10 a 20 minutos pode ser utilizada para a diminuir a dor associada a exercícios ativos.

A eficácia da crioterapia depende de vários fatores, incluindo o método de aplicação, a duração da aplicação, a diferença de temperatura inicial da área tratada, da quantidade de gordura subcutânea, a temperatura ambiente e ainda a aplicação associada à compressão, tamanho da área afetada pelo tratamento. De acordo com Merrick et al., quanto maior a capacidade de resfriamento superficial da modalidade, maior será a profundidade do resfriamento e mais eficaz o tratamento. Assim, para que o resfriamento seja terapêutico, é necessário que a temperatura tecidual alcance temperaturas específicas, para que os efeitos ocorram.

Para alguns autores, temperaturas entre 10 e 13,6 ºC promovem os efeitos terapêuticos utilizados na recuperação das lesões do sistema músculo-esquelético, sendo preconizado que efeitos analgésicos são obtidos com resfriamento da pele abaixo de 13,6 ºC, reduções de 10 % na velocidade de condução nervosa, a temperaturas cutâneas de 12,5 ºC, e reduções de 50 % da atividade enzimática tecidual, a temperaturas cutâneas de 10 ºC. Kanlayanaphotporn & Janwantanakul afirmam que reduções na temperatura da pele para aproximadamente 10 ºC diminuem o fluxo sanguíneo local e o metabolismo, e que reduções para acerca de 13 ºC causam efeito analgésico.

Os resultados evidenciaram que ambas as formas de aplicação da crioterapia foram capazes de reduzir a temperatura superficial, contudo, somente a aplicação com bolsa de gelo alcançou os níveis de resfriamento necessários para se atingir os efeitos terapêuticos (i.e., temperaturas inferiores a 13 e 10 ºC).

2005 Renato Alves Sandoval. Alan Sérgio Mazzari. Gilvaneide Dantas de Oliveira – Crioterapia nas lesões ortopédicas: revisão

http://www.efdeportes.com/efd81/criot.htm

 

2012 Mikhail Santos Cerqueira, Andréa Thiebaut, Rafael Pereira, Luciano Garcia Pereira COMPARAÇÃO DA TEMPERATURA LOCAL, APÓS DIFERENTES MÉTODOS DE RESFRIAMENTO TECIDUAL

http://seer.uscs.edu.br/index.php/revista_ciencias_saude/article/download/1877/1407

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora:D

Alternativa que indico após analisar: D

Anúncios

FCC – TRT 23 2007 – Questão 27

27. Os dois nervos superficiais para os quais se recomendam cuidados especiais durante a aplicação do gelo são

(A) mediano e radial.

(B) ciático e fibular.

(C) ciático e ulnar.

(D) facial e radial.

(E) fibular e ulnar.

nervos-perifericos

O nervo isquiático é profundo, eliminamos “B” e “C”. O radial também não é dos mais superficiais.

Eliminamos as alternativas “A” e “D”. Opa, só sobrou a “E”.Vou deixar as imagens para que tirem as próprias conclusões.

fibular

n mediano

n radial

nisquiatico

nervo-facial

ulnar

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: E

Alternativa que indico após analisar: E

VUNESP – Sorocaba/SP 2006 – Questão 45

45. A crioterapia é considerada agente de resfriamento superficial, transferindo energia por

(A) condução.

(B) convecção.

(C) irradiação.

(D) conversão.

(E) vibração.

condução

Na crioterapia há uma troca, uma transferência de temperatura entre os tecidos, por essa razão a região em contato com o gelo se resfria(perde calor) e o gelo passa do estado sólido para o líquido(ganha calor). Essa é uma condução de calor entre tecidos de temperaturas diferentes.

Para que tenhamos um efeito terapêutico, é necessário que o gelo permaneça em contato com o tecido por no mínimo 20 minutos. Por essa razão sprays e bolsas de gel não são nem de longe comparáveis ao gelo, nenhuma dessas variações mantém essa troca de temperatura por 20 minutos. Apesar de inicialmente serem de temperatura e sensação térmica mais baixa que o gelo, essas modalidades não mantém essa troca por 20 minutos.

Por isso, nem pensem em gastar dinheiro para realizar crioterapia colegas, gelo é água, e água é quase de graça. Ao menos por enquanto…

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: A

Alternativa que indico após analisar: A

IADES – EBSERH – UFTM/MG 2013 – Questão 39

39. Os processos que envolvem o movimento da energia térmica de um ponto para outro, são descritos como formas de transferência de calor. Na eletrotermoterapia, lidamos com a transferência de energia térmica entre o ambiente externo e a superfície do corpo, e entre os tecidos fluidos do próprio corpo. Sobre as formas de transferência de calor, é correto afirmar que

(A) o turbilhão quente é uma forma de transferência de calor por condução.

(B) durante a utilização da crioterapia, o calor é transferido dos tecidos para a modalidade de aplicação de frio por condução.

(C) o micro-ondas transmite calor aos tecidos biológicos por convecção.

(D) o ultrassom terapêutico não transfere calor aos tecidos por não apresentar uma das formas tradicionais de transferência de calor, uma vez que se trata de uma onda mecânica.

(E) o banho de parafina transmite calor ao tecido por convecção.

agua e moises

Na “A”, não é condução, é convecção.

Na “B”, apesar da afirmação confusa, o que dificulta responder essa questão e dá razão para recurso, já que não é possível se interpretar uma afirmação sem nexo textual, podemos afirmar que a cioterapia é uma modalidade de trnasferência de temperatura por condução. Creio que ali, no lugar de “para a modalidade”, devia estar “pela modalidade”. Correta, mas marco como erro da organizadora.

Na “C”, microondas é conversão.

Achei engraçada a afirmação da alternativa “D”. É típico de quem tem dúvidas sobre o assunto concordar com afirmações tendenciosas assim. Nesse tipo de afirmação, a banca se utiliza de uma premissa falsa para chegar a uma conclusão lógica, mas como o raciocínio já estava bichado na raíz, é uma conclusão também falsa. Um exemplo é afirmarmos que o sol está em diferentes posições ao longo do dia e estamos parados, logo é o sol que gira em torno da Terra. Galileu se debate no caixão. A conclusão é perfeita, mas a premissa é errada, pois não estamos parados no espaço.

Na “’E”, banho de parafina é condução.

Vou deixar aqui uma tabelinha para acabar as dúvidas sorbre esse tema:

Modalidades de transferência de energia térmica por condução:
Crioterapia em gelo(mais indicado);
Crioterapia por bolsa de gel(não mantem a temperatura como o gelo);
Compressas quentes
Banho de parafina

Modalidade de transferência de energia térmica por convecção:
Turbilhão (Fluidoterapia)
Crioterapia por Spray
Forno de Bier
Ár úmido

Modalidade de transferência de energia térmica por conversão:
Ondas curtas
Microondas
Ultrassom
Calor irradiado(Infravermelho, Ultravioleta)

Para ler mais:
http://repositorio.chlc.min-saude.pt/bitstream/10400.17/768/1/Temas%20Reabilita%C3%A7%C3%A3o_Agentes%20Fisicos_Vol%20I.pdf

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: B

Alternativa que indico após analisar: B

VUNESP – Sorocaba/SP 2006 – Questão 24

24. Os recursos fisioterapêuticos utilizados na reabilitação das polineuropatias periféricas incluem

(A) exercícios de baixa intensidade e longa duração, calor profundo, exercícios de estiramento e atividades de vida diária.

(B) somente atividades de vida diária.

(C) exercícios de alta intensidade e curta duração, exercícios de estiramento e crioterapia.

(D) crioterapia e estimulação elétrica funcional.

(E) crioterapia, estimulação elétrica funcional, atividades de vida diária e TENS (Estimulação Elétrica Transcutânea).

Neuronia
As alternativas “B”, “C” e “E” são inadequadas para se responder ao proposto no enunciado. A alternativa “A” é mais completa que a “D”, apesar da opção “calor profundo” da alternativa “A” ser discutível para esse grupo de patologias, mas nesse ponto, mesmo a crioterapia deve ser discutida de acordo com a patologia.

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: A

Alternativa que indico após analisar: A

VUNESP – Sorocaba/SP 2006 – Questão 12

12. A inibição de reflexos exaltados, durante a cinesioterapia no paciente hemiplégico, utiliza processos terapêuticos que provocam relaxamento por meio de
I. estiramentos leves e prolongados das articulações com músculos espásticos;
II. crioterapia;
III. termoterapia leve;
IV. estimulação do músculo antagonista ao músculo espástico;
V. estimulação do músculo agonista ao músculo espástico.

Considerando as afirmativas, estão corretas apenas

(A) II e V.

(B) I, II e IV.

(C) I, II e V.

(D) I, III e IV.

(E) I, III, IV e V.

gelo e fogo

Essa questão dá para resolver por eliminação. Se estimularmos os músculos agonistas do movimento, ele irá intensificar essa ação. Podemos facilmente deduzir que a opção “IV” é correta, e dessa forma eliminamos as alternativas “A”, “C” e “E”.

Então, só restam duas alternativas, que em comum afirmam que a opção “I” é correta, e é mesmo. Elas discordam quanto a “crioterapia” ou “termoterapia leve”. Embora o senso comum nos faça optar pela termoterapia leve, esse ponto é discutível. Vou deixar até uma revisão de literatura em PDF.

http://revistaneurociencias.com.br/edicoes/2009/RN%202009%201/227%20.pdf

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: D

Alternativa que indico após analisar: B ou D

VUNESP – São Paulo/SP 2002 – Questão 42

42. O uso do gelo, também denominado de crioterapia, é muito utilizado em lesões do sistema músculoesquelético. Portanto, na fase aguda de uma lesão, é utilizado

(A) para produzir hiperemia.

(B) associado a manobras passivas.

(C) apenas após as 48 horas da ocorrência da lesão.

(D) para provocar vasoconstrição, reduzindo risco de ocorrer dor, edema e hematomas.

(E) somente como medida analgésica.

gelo e urso2

Alternativas “A”, “B” e “E” são incorretas. Há outras questões sobre crioterapia aqui nesse blog. Podem ser conferidas pelas categorias ao lado ou pelo mecanismo de busca, digitando crioterapia irá aparecer as questões desse tema. Eu mesmo utilizo a busca do blog e já constatei que é bem eficiente.

A alternativa “C” nos traz uma questão interessante. Aprendemos que normalmente se usa gelo por volta de 48 horas após a lesão, então por quê esta alternativa está errada? Reparem bem, nessa questão há um termo que em qualquer texto mequetrefe sobre concursos se recomenda cautela: “apenas”. Esse termo limita a alternativa, a torna específica, num ponto onde não há essa precisão. As lesões são diferentes, o período inflamatório pode variar dependendo de diversos fatores, como o mecanismo do trauma, idade do indivíduo, local do trauma e, dessa forma, podemos utilizar gelo até após essas 48 horas.

A alternativa “D” é a correta.

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: D

Alternativa que indico após analisar: D