VUNESP – IAMSP/HSPE 2011 – Questão 36

36. Dentre as lesões graves da coluna causadas pela artrite reumatoide, podem-se citar:

(A) subluxação da articulação sacroilíaca e luxações vertebrais entre C4/C5 e C5/C6.

(B) subluxação da articulação sacroilíaca e luxações vertebrais entre C5/C6 e C6/C7.

(C) subluxação da articulação atlantoaxial e luxações vertebrais entre C6/C7 e C7/C8.

(D) subluxação da articulação atlantoaxial e luxações vertebrais entre C5/C6 e C6/C7.

(E) subluxação da articulação atlantoaxial e luxações vertebrais entre C4/C5 e C5/C6.

i36.jpg

A artrite reumatoide é uma doença inflamatória crônica sistêmica, de causa desconhecida que afeta principalmente a membrana sinovial de múltiplas articulações. A prevalência na população brasileira varia de 0,2 a 1%(3). Embora possa acometer todo o eixo vertebral, o principal envolvimento ocorre na coluna cervical e, em especial, a junção craniocervical, explicado pelo fato de que occipto-C1 e C1-C2 são articulações puramente sinoviais.

Referência:

Cardoso ALP, Silva NA, Daher S, Moraes FB, Carmo HF, Avaliação da Coluna Cervical no Paciente com Artrite Reumatoide,   disponível em http://www.scielo.br/pdf/rbort/v45n2/10.pdf , acesso em 05/12/2016.

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: E

Alternativa que indico após analisar: E

Anúncios

VUNESP – IAMSP/HSPE 2011 – Questão 35

35. Assinale a alternativa que corresponde à característica da mastectomia radical modificada.

(A) O músculo peitoral permanece intacto.

(B) O músculo peitoral é totalmente removido.

(C) O músculo peitoral é removido parcialmente.

(D) Somente a mama é removida.

(E) Somente os nódulos linfáticos são removidos.

i35

Na mastectomia radical modificada, segundo o que andei lendo, a fascia do peitoral maior é removida. Como faz parte do músculo, não sei se podemos dizer que o músculo ficou intacto, mas é o que a banca propõe como resposta.

Fiquem com um arquivo bem legal.

http://www.mediafire.com/file/scovl2juj6ujcbw/a35_cirurgia_mamaria.pdf

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: A

Alternativa que indico após analisar: A

VUNESP – IAMSP/HSPE 2011 – Questão 34

34. Com relação ao tratamento da tromboflebite na fase aguda, assinale a alternativa correta.

(A) Repouso no leito, terapia anticoagulante sistêmica, sem elevação do membro envolvido, e exercícios passivos ou ativos de amplitude de movimento são contraindicados.

(B) Repouso no leito, terapia anticoagulante sistêmica, com elevação do membro envolvido, e exercícios passivos ou ativos de amplitude de movimento são contraindicados.

(C) Repouso parcial, terapia anticoagulante local, com elevação do membro envolvido, e exercícios passivos ou ativos de amplitude de movimento são indicados.

(D) Repouso no leito, terapia anticoagulante sistêmica, com elevação do membro envolvido, e exercícios passivos ou ativos de amplitude de movimento são indicados.

(E) Repouso parcial, terapia anticoagulante sistêmica, sem elevação do membro envolvido, e exercícios passivos ou ativos de amplitude de movimento são indicados.

i34.gif

Na fase aguda de tromboflebite, e reparem que a conduta para fase crônica não é a mesma, deve-se ficar em repouso no leito e evitar movimentos ativos ou alongamentos, pelo mesmo motivo. A elevação do membro favorece a circulação gravitacional, e a terapia anticoagulante sistêmica, que obviamente é uma conduta médica, também é necessária.

Referência:

Sobreira ML , Yoshida WB, Lastória S, Tromboflebite superficial: epidemiologia, fisiopatologia, diagnóstico e tratamento, 2007, Artigo de Revisão, Disponível em http://www.scielo.br/pdf/jvb/v7n2/v7n2a07, acesso em 03/12/2016

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: B

Alternativa que indico após analisar: B

VUNESP – IAMSP/HSPE 2011 – Questão 33

33. Na área da angiologia, a atenção aos sinais e sintomas é de suma importância para o diagnóstico e diferenciação entre doenças arteriais e venosas. Baseado nisso, assinale a alternativa que descreve esses sinais e sintomas, respectivamente.

(A) Aumento na tolerância a temperaturas quentes e frias/ edema do membro afetado.

(B) Palidez/diminuição do crescimento de pelos distais à insuficiência.

(C) Alívio da dor com elevação do membro/piora da dor com elevação do membro.

(D) Piora da dor com elevação do membro/alívio da dor com elevação do membro.

(E) Edema do membro/diminuição da temperatura da pele.

i33.jpg

Questão interessante. Vou de “Control C / Control V”. Teoricamente, elevar membro com doença arterial provoca isquemia. Elevar membro com insuficiência alivia a pressão causada por disfunção venosa.

SINAIS E SINTOMAS DE DVP

Quando os vasos colaterais compensam de forma adequada a obstrução da artéria, pode ser que não haja sintomas em repouso, todavia, quando a demanda pelo fluxo sangüíneo aumenta, por exemplo, durante caminhadas, pode ocorrer a claudicação intermitente. Os sintomas na fase final são dor em repouso, particularmente a noite, e ulceração ou gangrena.

CLAUDICAÇÃO INTERMITENTE: A palavra claudicação procede da palavra latina “claudicatio” que significa manquejar, porém os pacientes com claudicação não mancam, eles param para repousar. A dor associada a claudicação intermitente é caracterizada por cãibra ou dor contínua, freqüentemente na panturrilha. Ela ocorre ao andar e é aliviada quando a pessoa interrompe a marcha, sem a necessidade de sentar-se. A claudicação intermitente ocorre mais comumente como dor na panturrilha, porém a obstrução vascular mias alta (ex. na aorta) causará dor nas nádegas e na parte superior das coxas e freqüentemente está acompanhada de Impotência. Isso é conhecido como “Síndrome de Leriche”. A obstrução das artérias ilíacas causa dor na porção inferior da coxa.

PÉS FRIOS: É uma queixa comum em pacientes com insuficiência vascular periférica, obrigando-os ao uso de garrafas de água quente, almofadas aquecidas e compressas úmidas quentes. Essas práticas podem ocasionar intensa queimadura do pé insensível ao calor, devido à neuropatia periférica.

DOR NOTURNA: É uma forma de neurite isquêmica que geralmente precede a dor em repouso. Ela ocorre a noite, já que durante o sono a circulação é geralmente do tipo central, com diminuição da perfusão das extremidades inferiores. A neurite isquêmica resultante torna-se intensa e interrompe o sono.

DOR AO REPOUSO: A dor em repouso, geralmente indica a presença de pelo menos duas obstruções arteriais hemodinamicamente significantes. Trata-se de uma dor persistente causada por isquemia do nervo. Apresenta picos de intensidade, piora a noite e pode requerer uso de narcóticos para seu alívio. Dores noturnas e ao repouso aliviadas quando em posição pendente. Essa posição aumenta o débito cardíaco, levando a menor perfusão das extremidades inferiores e ao alívio da neurite isquêmica.

AUSÊNCIA DE PULSACÕES: Caso a zona poplítea esteja obstruída, é possível que haja diferença na temperatura da pele em ambas as áreas patelares. A pele em torno do joelho, do lado isquêmico, muitas vezes é mais quente, devido aos vasos colaterais que se formam em torno da artéria poplítea obstruída.

PALIDEZ À ELEVAÇÃO: A palidez do pé, provocada por sua elevação e o retardo do enchimento capilar venoso são indicativos de isquemia.

DEMORA DO ENCHIMENTO VENOSO APÓS A ELEVAÇÃO: Normalmente o tempo de enchimento venoso e capilar é inferior a quinze segundos. Esse tempo pode ser prorrogado para minutos, quando a extremidade está gravemente isquêmica. Um tempo de enchimento capilar venoso além de quarenta segundos, indica isquemia muito grave.

RUBOR NA POSIÇÃO PENDENTE:

As extremidades com DVP grave, apresentam rubor após a permanência em posição pendente
Os pacientes com varizes também apresentam rubor na posição pendente devido a estase venosa.

As alterações isquêmicas da pele são caracterizadas por pele fria, atrófica e brilhante, perda dos pêlos no dorso dos pés e dedos, espessamento das unhas e freqüentemente infecções fúngicas. As unhas tendem a crescer mais lentamente quando a irrigação sangüínea está diminuída. A medida que se instala nova isquemia, o tecido subcutâneo se atrofia. A pele parece brilhante e rigidamente esticada sobre o pé. Pode ocorrer ulceração desses pés vulneráveis a pequenos traumatismos. A DVP contribui para a amputação ao impedir o fornecimento de oxigênio, nutriente (necessários para a cicatrização das feridas) e de antibiótico para combater a infecção.

Referência:

http://www2.unifesp.br/denf/NIEn/PEDIABETICO/mestradositecopia/pages/dvp.htm, acesso em 2/12/2016

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: D

Alternativa que indico após analisar: D