FCC – TRT 6 2007 – Questão 54

54. Os determinantes da capacidade residual funcional são:

(A) complacência pulmonar e força muscular respiratória.

(B) força elástica do parênquima pulmonar e resistência das vias aéreas.

(C) resistência das vias aéreas e complacência pulmonar.

(D) força dos músculos respiratórios e a resistência das vias aéreas.

(E) força de tração da caixa torácica e força elástica do parênquima pulmonar.

acao

A força elástica do parênquima é ponto pacífico, mas a alternativa “E” é específica e diz diretamente quais músculos fazem diferença para o volume residual, afinal são muitos músculos respiratórios, tanto para inspirar como para expirar.

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: E

Alternativa que indico após analisar: E

FCC – TRT 6 2007 – Questão 53

53. Em relação às propriedades elásticas do pulmão, é correto afirmar:

(A) a complacência pulmonar é definida como alteração de volume por unidade de alteração de fluxo.

(B) surfactante tem o importante papel de diminuir a tensão superficial dos alvéolos, aumentando a complacência do pulmão e reduzindo o trabalho ventilatório.

(C) edema alveolar aumenta a complacência ao diminuir a ventilação alveolar, em contrapartida, doenças que causam fibrose do pulmão diminuem a complacência.

(D) a tensão superficial dos alvéolos não tem influência no comportamento pressão-volume.

(E) a perda de surfactante traz como conseqüências a alta complacência pulmonar e alvéolos cheios de ar.

surfactante-pulmonar-6-638

A alternativa “B” é perfeita.

O surfactante pulmonar consegue reduzir bastante a tensão superficial entre a água e
o ar. Porém seu efeito depende de sua concentração na interface. A concentração de saturação na interface depende somente da temperatura e da composição da mistura. Como durante a ventilação a superfície do pulmão sofre variações, a concentração se surfactante na interface não costuma ficar no nível de saturação. Na inspiração a superfície aumenta e abre espaço para novas moléculas de surfactante serem recrutadas para a interface. Na expiração a superfície diminui e a camada de surfactante é expremida. Quando a interface é expremida, as moléculas surfactantes ficam mais próximas umas das outras diminuindo ainda mais a tensão superficial.

Sua função é aumentar a complacência pulmonar e consequentemente diminuir o esforço respiratório.

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: B

Alternativa que indico após analisar: B

FCC – TRT 6 2007 – Questão 52

52. É INCORRETO o que se afirma em:

(A) Os bronquíolos segmentares são assim denominados, pois bifurcam-se em terminais e respiratórios, que possuem alvéolos ocasionais que brotam das sua paredes.

(B) A traquéia divide-se em brônquios principais direito e esquerdo, que por sua vez dividem-se em brônquios lobares, e a seguir, bronquíolos segmentares e terminais respectivamente.

(C) Um vez que as vias de condução não têm alvéolos e por essa razão não realizam a troca gasosa, elas constituem o espaço morto anatômico e seu volume é de cerca de 150 mL.

(D) A porção distal a um bronquíolo terminal forma uma unidade anatômica denominada ácino ou lóbulo, onde finalmente encontram-se aos ductos alveolares. Esta região do pulmão é conhecida como zona respiratória.

(E) A zona respiratória constitui a maior parte do pulmão e seu volume é cerca de 2,5 a 3,0 litros.

arvore

Na alternativa “A”, o correto seria brônquios segmentares, e não bronquíolos. E nem haveria essa subdivisão citada, pois ramifica-se em bronquíolos. Olha esse lindo desse brônquio segmentar aí embaixo.

A traquéia divide-se em dois brônquios (direito e esquerdo). Estes apresentam estrutura muito semelhante à da traquéia e são denominados brônquios deprimeira ordem. Cada brônquio principal dá origem a pequenos brônquios lobares ou de segunda ordem, que ventilam os lobos pulmonares. Estes, por sua vez, dividem-se em brônquios segmentares ou de terceira ordem, qua vão ter os segmentos broncopulmonares. Os brônquios, por sua vez, se ramificam várias vezes até se transformarem em bronquíolos, um para cada alvéolo pulmonar, ao que se designa de árvore bronquial. Os brônquios têm a parede revestida internamente por um epitélio ciliado e externamente encontra-se reforçada por anéis decartilagem, irregulares que, nas ramificações se manifestam como pequenas placas ou ilhas.Brônquios são condutos cartilaginosos localizados na porção mediana do tórax, abaixo da região inferior da traqueia; e se estendem desde o ponto da ramificação desta até o hilo pulmonar.

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: A

Alternativa que indico após analisar: A

Você está estudando?

Tenho recebido entre 2 a 3 mil visualizações diárias no blog, mas sei lá, as vezes parece que não está valendo a pena meu esforço em comentar as questões. Por quê?

parafuso

No meu painel de administrador consigo ver de onde vem as visitas. Pelo menos umas 300 visualizações são de diversos países, maioria EUA e Portugal, mas países menores como Moçambique, Suiça e Angola também. Vejam um dia de semana:

Brasil,3213
Estados Unidos,227
Portugal,65
Austrália,7
Bolívia,2
Moçambique,2
Suíça,1
Paraguai,1
Espanha,1
Angola,1
França,1
Israel,1
União Europeia,1
Reino Unido,1
Noruega,1

Por quê alguém acessaria desses locais, para prestar concurso no Brasil quando vier pra cá? Certamente que não. Com certeza é alguém clicando e baixando as imagens ou programas-robô dos mecanismos de busca que vasculham todos os sites em buscas de tags.

Consigo também ver os termos que usam no Google para chegar até aqui. Muitos me parecem estudantes à procura de informações para trabalhos da faculdade ou escola.

Por isso, para que eu saiba se vale a pena ajudá-los e postar uma nova questão por dia ou se devo postar eventualmente, preciso saber quem realmente está estudando para concurso.

Já recebi emails de colegas aprovados em concursos e provas de aprimoramento, mas tem diminuido um pouco. Em março acho que ninguém.

Poste no comentários, um simples “eu estou estudando” já me serve de Feedback.

 

 

 

FCC – TRT 6 2007 – Questão 51

51. Considere as afirmativas abaixo.

I. A contração do diafragma aumenta o diâmetro vertical do tórax pelo deslocamento caudal do centro frênico.

II. Feixes de fibras musculares do diafragma se inserem na face interna das cartilagens costais, sobre as extremidades das 11a e 12a costelas e sobre a coluna vertebral no nível dos corpos vertebrais.

III. A contração do diafragma aumenta o diâmetro transversal do tórax por elevação das costelas superiores, por intermédio do esterno.

IV. A contração do diafragma aumenta o diâmetro ântero-posterior do tórax, por elevação das costelas inferiores.

V. O diafragma possui pilares que se inserem sobre a coluna lombar nas arcadas dos músculos psoas e quadrado lombar.

É correto o que se afirma APENAS em

(A) I e II.

(B) II e V.

(C) I, II e V.

(D) I, III e IV.

(E) II, III e IV.

diafragma.jpg

https://questoesdefisiocomentadas.wordpress.com/tag/funcao-do-diafragma/

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: C

Alternativa que indico após analisar: C

FCC – TRT 6 2007 – Questão 50

50. A sintomatologia esperada num paciente com lesões do neurônio motor superior e inferior no bulbo é:

(A) fraqueza espástica, rigidez, reflexos ampliados.

(B) disartria, disfagia, emaciação da língua e espasmos no maxilar.

(C) língua contraída, fala pastosa, paralisia do diafragma.

(D) fraqueza flácida, emaciação muscular, fasciculação muscular.

(E) língua espástica, reflexos ampliados, labilidade emocional.

esqueleto

Disfunção do neurônio motor superior

• fraqueza

• reflexos tendíneos vivos

• presença de reflexos anormais (sinal de Babinski e outros)

Disfunção do neurônio motor inferior

• fraqueza

• fasciculações

• atrofia

• atonia

Disfunção dos neurônios motores do tronco cerebral

• disfagia

• disartria

A classificação das DNM depende de vários critérios, incluindo síndrome clínica, com predominância de envolvimento dos tipos de neurônios motores, alterações morfológicas, padrão de herança, achados eletrofisiológicos, e anormalidades bioquímicas e imunológicas.

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: B

Alternativa que indico após analisar: B

FCC – TRT 6 2007 – Questão 49

49. O conhecimento das vias aferentes é de fundamental importância durante o procedimento de avaliação fisioterapêutica de um paciente com lesão medular. O tipo de sensibilidade que as vias espino-talâmica e espinocerebelar conduzem são

(A) propriocepção consciente; tato e temperatura.

(B) propriocepção consciente; propriocepçãoinconsciente.

(C) tato; propriocepção consciente.

(D) dor e temperatura; tato.

(E) dor e temperatura; propriocepção inconsciente.

slide_21

Vias Ascendentes

Temperatura e dor (trato espino-talâmico lateral) a. Receptores: terminações nervosas livres, corpúsculos de Krause e Ruffini b. Neurônios I, II e III.

Trato espinocerebelar posterior (propriocepção inconsciente MMII) a. Receptores: fuso neuromuscular, órgão tendinoso de Golgi b. Neurônio I: gânglio da raiz dorsal c. Neurônio II: núcleo dorsal de Clarke (núcleo torácico)

Trato espinocerebelar anterior (propriocepção inconsciente MMII) a. Receptores: órgão tendinoso de Golgi b. Neurônio I: gânglio da raiz dorsal c. Neurônio II: substância cinzenta medular (lâminas V, VI, VII)

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: E

Alternativa que indico após analisar: E