VUNESP – IAMSPE/SP 2009 – Questão 48

48. Apraxia é um comprometimento adquirido na realização de movimentos objetivos e pode desenvolver-se após acidente vascular cerebral. Na apraxia de ideação, o paciente

(A) pode conhecer e lembrar-se da ação planejada, mas não consegue executá-la com nenhuma das mãos.

(B) é incapaz de realizar uma habilidade já aprendida com os membros, ou seja, incordenação que não pode ser atribuída a paresia, ataxia ou perda sensorial.

(C) é incapaz de realizar movimentos faciais segundo um comando.

(D) é incapaz de manter uma ação física, geralmente identificada quando o paciente não consegue fechar os olhos ou elevar o membro superior não afetado por 20 segundos ou mais.

(E) falha na construção ou formulação de uma ação, seja espontânea ou por comando.

ideia

Nem vou comentar nada, só colei as descrições de apraxias e, no final, deixo dois arquivos esclarecedores sobre o assunto. Mas, esse assunto me fez lembrar da importãncia de se montar resumos, já que é muito dificil se decorar tudo isso tendo que ler textos muito longos. A grande sacada do resumo é facilitar esse processo de fixar o conteúdo.

Apraxia dinâmica: é a incapacidade de manter um planejamento motor evidenciado pela impossibilidade de realizar três gestos em uma mesma ordem ou de realizar ações contrárias (ex.: uma mão com punho serrado e a outra mão com a palma para cima)

Apraxia ideomotora: é um distúrbio na realização dos gestos simples ou simbólicos, sem a utilização de objetos. Embora o paciente saiba o que fazer, ele é incapaz de fazê-lo com intenção, mas pode executá-los automaticamente (ex.: ordena-se que o paciente faça o sinal-da-cruz, ele não o faz, mas realiza-o automaticamente ao entrar em uma igreja).

Apraxia ideatória: é um distúrbio evidente na seqüência dos atos necessários para a utilização de um objeto, a forma como ele cumpre o ato parece distração ou demência, mas não o é (ex.: se for pedido ao paciente que fume um cigarro, pode-se observar que irá acender o fósforo com o cigarro, ou que leva o cigarro aos lábios e fuma sem tê-lo acendido).

Apraxia construtiva: é a incapacidade ou a dificuldade de reproduzir ou desenhar espontaneamente o que fazia anteriormente à lesão neurológica, sem dificuldade (ex.: ele é incapaz de fazer um desenho com molde).

Apraxia mielocinética: é a incapacidade de executar movimentos adquiridos delicados; a rapidez e a habilidade estão afetadas, independentemente da complexidade do gesto; pode ser identificada na mímica, sendo mais evidente quando se testam os movimentos distais independentes, principalmente os mais rápidos (ex.: o paciente é incapaz de imitar o ato de passar a ferro).

Apraxia da marcha: corresponde a um déficit da marcha, que não pode ser explicado por fraqueza, perda sensorial ou incoordenação motora. A marcha é lenta, com passos pequenos, arrastados e hesitantes, às vezes com pausa; o início da marcha é difícil e a piora é progressiva, sendo que nos casos mais graves os pacientes são incapazes de dar um passo, como se seus pés estivessem colados ao chão.

Apraxia do vestir: é a incapacidade de orientar peças de vestuário em relação ao corpo, com distúrbios gnósicos do esquema corporal; nas formas mais intensas, o paciente não consegue colocar a própria camisa. Freqüentemente, o erro é maior ao colocar a manga esquerda.

Apraxia bucofacial: o paciente é incapaz de realizar os movimentos voluntários da deglutição, movimentos voluntários da língua, movimentos faciais ao comando (ex.: lamber os lábios, soprar um fósforo), mas automaticamente fumam e recolhem migalhas nos lábios com a língua.

Apraxia agnóstica: é comum alguns autores associarem as apraxias com as agnosias, sendo por definição: apraxia – alteração das funções gestuais, e agnosias – alteração das funções cognitivas, ou seja, o paciente não realiza os gestos por não reconhecer o objeto e qual a sua utilização.

Apraxia diagonística: consiste em má cooperação entre as mãos na execução de tarefas bimanuais. Nas atividades espontâneas, às vezes, pode estar evidente, por exemplo: uma pessoa deposita sobre o balcão de uma loja o dinheiro que deve após uma compra; a mão direita pega normalmente o objeto comprado enquanto a mão esquerda apodera-se do dinheiro antes que seja registrado no caixa, como se já se tratasse do troco. As dificuldades que o paciente encontra para a execução dessas tarefas bimanuais devem-se ao fato de que o conjunto cérebro esquerdo/mão direita responde às solicitações verbais ou aos projetos conceituais, enquanto o conjunto cérebro direito/mão esquerda responde às estimulações visuais concretas. Os dois hemisférios separados não podem coordenar sua respectiva atividade e atrapalham-se mutuamente.

http://www.mediafire.com/view/of29h9bljvc6g4a/1999_Testes_para_deteccao_de_apraxias.pdf

http://www.mediafire.com/view/fdubjwv7q9lac3w/2007_Apraxias_Marina_Emmanuelle.pdf

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: E

Alternativa que indico após analisar: E

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s