AOCP – EBSERH – UFGD/MS Respiratória 2014 – Questão 32

32. Sobre a Ventilação de Alta Frequência (VAF), assinale a alternativa correta.

(A) Quando comparada à ventilação convencional, minimiza o potencial de lesões por diminuir o processo repetitivo de abertura e fechamento alveolar.

(B) Atualmente, vem sendo utilizada de forma precoce, como recurso de escolha em casos de insuficiência respiratória.

(C) Esta técnica promove ventilação adequada por meio de uma circulação de ar mais amena.

(D) Requer volumes corrente baixos, em torno de 4 a 7 ml/ Kg.

(E) Uma de suas vantagens é que, mesmo na ausência de um recrutamento alveolar efetivo, a VAF é capaz de ventilar com perfeição, atendendo às necessidades do paciente.

pulmao-artificial

Mesmo sem saber o que é essa tal de VAF, dá para perceber que as alternativas “B”, “C” e “E” são incorretas.

Restam “A” e “D” como alternativas possíveis.

A alternativa “A”, apesar de chegar a uma conclusão coerente, tem o erro de dizer que uma técnica que utiliza maior frequencia pode ter menor potencial de causar lesão. Só resta a “D” mesmo.

Mas vamos descobrir o que é essa VAF, que é uma modalidade utilizada na ventilação mecânica.

Ventilação Oscilatória de Alta Frequência (VOAF)

Apesar de não ter sido demonstrada redução de mortalidade com o seu uso, a VOAF é estratégia ventilatória protetora que pode melhorar a oxigenação e reduzir o aparecimento de lesão pulmonar induzida pela ventilação mecânica nas doenças que cursam com redução da complacência pulmonar, nas quais a ventilação convencional protetora falhou ou quando há necessidade do uso de parâmetros lesivos para os pulmões (FiO2 > 0,6 ou pico de pressão >34 cmH2O). Lembrar que a utilização precoce parece ser mais benéfica.

Grau de evidência: A

A Ventilação de alta frequência oscilatória (VAFO) reduz o volume corrente ao mínimo e aplica uma pressão de distensão contínua acima da PEEP, permitindo com o seu uso que sejam alcançados objetivos significantes da estratégia protetora, como a prevenção da lesão pulmonar que ocorre com o fechamento e reabertura cíclica dos alvéolos. Estudos em adultos que incluíram meta-análise e ensaio randomizado controlado, concluíram que em pacientes com LPA, a VOAF não levou à benefícios, mas que pode ter um papel benéfico quando utilizada em casos de SDRA mais severos. Inicialmente, a VOAF foi utilizada como estratégia de resgate quando outros modos de ventilação falhavam. Em 1997, Fort et al. descreveram o uso da VOAF em 17 adultos com SDRA e observaram melhora da relação PaO2/FiO2 e do índice de oxigenação em 13 pacientes, com 53% de mortalidade.
Subsequentemente, vários outros autores publicaram sua experiência com este modo ventilatório. Em 2002, o MOAT (Multicenter Oscillatory Ventilation for Acute Respiratory Distress Syndrome Trial) comparou a alta frequência com ventilação com pressão-controlada. A VOAF associou-se com melhora mais rápida da relação PaO2/FiO2 quando comparada com a ventilação convencional27. Os autores concluíram que a VOAF é segura e efetiva para tratamento da SDRA. Mehta et al.28, em 2004, concluíram que a VOAF tem efeitos benéficos sobre a oxigenação, pode ser tratamento de resgate efetivo na hipoxemia grave e que sua instituição precoce pode ser vantajosa.

Vantagens teóricas:
manter as vias aéreas abertas 
menor volume fásica e mudança de pressão 
troca de gás a pressões significativamente mais baixos das vias aéreas 
menos envolvimento do sistema cardiovascular 
menos depressão da produção de surfactante endógeno.
VAFO é recomendado para reduzir o barotrauma pulmonar e lesão pulmonar conseqüente não-homogênea patologia pulmonar, vazamentos de ar, Pulmonar Persistente Hipertensão do recém-nascido (HPP) e ventilação de bebês prematuros. 

Contraindicações:
obstrução pulmonar de aspiração de mecônio fresco 
displasia broncopulmonar 
RSV bronquiolite 
hemorragia intracraniana.

Complicações:
hiperinsuflação pulmonar em doenças pulmonares obstrutivas 
hemorragias intracranianas; Redução da frequência cardíaca atribuída ao aumento da atividade vagal; displasia broncopulmonar devido a ventilação pulmonar não homogênea necrotizante; traqueobronquite, aumento da permeabilidade do epitélio do pulmão e umidificação insuficiente de traqueo-brônquicas secreções.

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: D

Alternativa que indico após analisar: D

2 pensamentos sobre “AOCP – EBSERH – UFGD/MS Respiratória 2014 – Questão 32

  1. Ainda fico na duvida.. pois na sua própria explicação demonstra a A ainda certa

    Grau de evidência: A

    A Ventilação de alta frequência oscilatória (VAFO) reduz o volume corrente ao mínimo e aplica uma pressão de distensão contínua acima da PEEP, — > permitindo com o seu uso que sejam alcançados objetivos significantes da estratégia protetora, como a prevenção da lesão pulmonar que ocorre com o fechamento e reabertura cíclica dos alvéolos.

  2. Faz sentido mesmo. Quando li a primeira vez, considerei essa “A” incorreta porque a VAF é uma modalidade usada quando o paciente já se encontra entubado, por isso não me parece correto comparar com a ventilação convencional.

    Se você pensar em qual é a ventilação convencional, se seria a respiração sem acessórios, aí a VAF não é mais segura que essa ventilação convencional, porque não há nenhum risco de lesão no ato de respirar.

    Creio que a comparação do texto é com relação à ventilação mecânica.

    Abraço,
    André.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s