IADES – EBSERH – UFTM/MG 2013 – Questão 45

45. Assinale a alternativa que apresenta contraindicações para o alongamento.

(A) Quando um bloqueio ósseo limita a mobilidade articular, quando tecidos moles encurtados estão provendo aumento da estabilidade articular e fraqueza muscular.

(B) Quando um bloqueio ósseo limita a mobilidade articular, na presença de uma evidência de trauma muscular e fraqueza muscular.

(C) Quando um bloqueio ósseo limita a mobilidade articular, na presença de uma evidência de trauma muscular, e quando tecidos moles encurtados estão provendo aumento da estabilidade articular.

(D) Na presença de uma evidência de trauma muscular, quando tecidos moles encurtados estão provendo aumento da estabilidade articular e fraqueza muscular.

(E) Na presença de uma evidência de trauma muscular, quando a restrição da mobilidade pode levar a deformidades estruturais e fraqueza muscular.

chatice

Essa IADES até agora está sendo talvez a presença mais frequente na categoria “Erros das organizadoras”. Ou estou cada vez mais perspicaz e rigoroso com as análises ou são questões mal elaboradas mesmo. Talvez as duas coisas.

Antes de mais nada, vamos descobrir qual o real significado desse termo genérico usado pela IADES, que é o trauma muscular.

Mecanismos de Trauma muscular

O trauma pode ser categorizado como externo ou direto, causando principalmente contusões e – se severo – rupturas; e interno ou indireto, causando distensões e rupturas.

Trauma Direto

Trauma externo direto pode ser causado a um músculo por qualquer objeto virtualmente contundente. Durante atividades atléticas, as causas de trauma direto incluem colisões entre dois jogadores ou entre um jogador e um objeto estacionário, como um mastro ou estaca, ou até o próprio chão. Os músculos das extremidades inferiores são os mais expostos. Num trauma, o músculo envolvido é esmagado contra o osso subjacente. As lesões resultantes podem variar de uma contusão a um hematoma intramuscular de expansão rápida, requerendo uma cirurgia de emergência. Quando o músculo está sob tensão na ocasião do trauma, a contusão pode resultar em franca ruptura muscular.

Qualquer afecção que cause isquemia das fibras musculares, inclusive compressão prolongada ou trauma direto extenso, pode resultar em rabdomiólise, na qual a integridade das membranas celulares é suficientemente alterada a ponto de permitir liberação do conteúdo intracelular para o líquido extracelular.

Trauma Indireto

Trauma indireto (ou interno) não envolve um agente externo; é comum em atividades atléticas. O trauma indireto pode afetar atletas de alto nível que excedam as limitações fisiológicas, bem como em não-atletas que ponham um stress de intensidade normal sobre músculo enfraquecido ou não treinado.

No trauma indireto, o músculo é tensionado além de seus limites através de alongamento passivo excessivo ou, mais freqüentemente, através de súbita hiperextensão durante contração. Tal hiperextensão pode resultar de súbito bloqueio de um movimento normal (perder a bola e, em seu lugar, chutar o solo, no futebol) ou pela realização de um movimento em posição mal alinhada. Diferentes grupos de músculos estão envolvidos, dependendo do esporte. Por exemplo – os músculos mais frequentemente lesados no futebol são o quadríceps – em particular o reto femoral – e os flexores do joelho, enquanto o gastrocnêmio medial é mais frequentemente lesado nos saltadores em altura e em distância e também no voleibol, basquetebol e no tênis.

Pronto. Agora vamos às contraindicações dos alongamentos:

Algumas contra-indicações para a prática de alongamentos são: bloqueio ósseo limitando a mobilidade articular; inflamação ou infecção nas estruturas envolvidas; em caso de dor aguda, cortante, com o movimento articular ou com o alongamento muscular; integridade óssea ou vascular comprometida; presença de hematomas ou outras indicações de traumatismos teciduais; limitação da ADM por alterações, que não sejam por retração muscular; quando as contraturas ou tecidos moles encurtados forem a base de habilidades funcionais, particularmente em pacientes com paralisia ou fraqueza muscular intensa (KISNER e COLBY, 1998; ALTER, 1999).

Durante a realização dos exercícios de alongamento algumas precauções devem ser tomadas: não forçar as articulações além da amplitude normal de movimento; estabilizar as fraturas recém consolidadas; evitar alongamentos vigorosos após uma imobilização prolongada, devido a perda de tensão sofrida pelos tendões e ligamentos podendo resultar em ruptura; ter os devidos cuidados em pacientes com osteoporose, repouso prolongado no leito e idade avançada; cessar o alongamento na presença de dor acentuada durante sua realização (KISNER e COLBY, 1998).

Nas alternativas “A” e “C”, esse aumento de estabilidade é proporcionado pelos músculos encurtados, e não é desejável. Portanto.´podemos alongar aqui. Alternativas incorretas, mas a banca diz que a correta é a “C”. Não preciso consultar nenhum livro para saber disso, músculos encurtados. são disfuncionais, e esse aumento de estabilidade pode ser interpretado mais como uma restrição. Com a exceção de haver contraindicação por patologia previamente estabelecida, fica difícil entender os motivos de quem elaborou a prova. Uma das possibilidades é o encurtamento ser a base de movimentos funcionais. Mesmo isso sendo algo que eu considero discutível e que deve ser analisado em cada caso, essa alternativa só estaria correta se fosse mencionado que esse encurtamento além de aumentar a estabilidade é a base de movimentos funcionais, e isso não acontece.

Então, ou a banca realmente errou, ou haviam informações que não foram fornecidas pelo enunciado e que justificariam essa escolha, o que também é um erro. Portanto, temos duas possibilidades, ou banca errou ou ela errou mesmo. ;P

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: C

Alternativa que indico após analisar: Nenhuma.

2 pensamentos sobre “IADES – EBSERH – UFTM/MG 2013 – Questão 45

  1. Discordo de você, pois o paciente deve ser funcional. Se você alonga um músculo que está encurtando dando estabilidade para o paciente desenvolver atividades você estará prejudicando-o, por isto acredito que não deva ser alongado tecidos moles encurtados estão provendo aumento da estabilidade articular. Como você mesmo copiou do Kisner “quando as contraturas ou tecidos moles encurtados forem a base de habilidades funcionais, particularmente em pacientes com paralisia ou fraqueza muscular intensa (KISNER e COLBY, 1998; ALTER, 1999)”.

  2. Jo,

    receitas de bolo nem sempre dão certo na culinária. No corpo humano costumam ser um desastre.

    Releia meu post, eu deixei claro que a banca não cita que o encurtamento é a base de habilidades funcionais, diz simplesmente que o encurtamento aumenta a estabilidade, nada mais. Aí está o erro.

    Como disse acima, não consideraria errado se a banca citasse sobre ser encurtamento algo funcional. Mas, ainda que correta a afirmação, é preciso ser avaliado individualmente. Na prática, em alguns casos o encurtamento funcional de hoje pode ser o agente patológico de amanhã, não há receitas infalíveis.

    Abraço,
    André.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s