VUNESP – Sorocaba/SP 2006 – Questão 11

11. Para evitar reações associadas no membro superior comprometido, na fase de reeducação da marcha no paciente hemiplégico, o membro do paciente deve ser mantido

(A) para frente, em rotação interna.

(B) para trás em rotação externa ou para frente em extensão.

(C) tracionado para frente, cotovelo em extensão e palma da mão voltada para cima.

(D) em abdução e rotação interna ou para trás.

(E) estendido para frente sobre um coxim.

evolução dos sinais somatosensoriais

Aqui há uma dúvida que não me permite considerar essa questão como uma questão sem erros. Se estivermos falando realmente de paciente hemiplégico, creio que não haverá reação associada em nenhuma posição do membro superior acometido. Se o enunciado se refere ao paciente hemiparético, aí sim. Tenho a impressão que os termos hemiparesia e hemiplegia são muitas vezes utilizados como sinônimos, não sei se por traduções mal realizadas ou por erros de tradução mesmo. Então, como uma fila de cegos, todos seguem utilizando os mesmos termos, sem muita reflexão sobre a etimologia das palavras e seu real significado. Por via das dúvidas, mantive o texto abaixo inalterado quanto a esse ponto, após esse adendo sobre a definição de perda total de função motora na hemiplegia e de perda parcial da hemiparesia.

Há outro ponto falho nesse enunciado: não há definição quanto a padrão flexor ou padrão extensor do membro superior acometido. Claro que a esmagadora maioria dos padrões em MMSS são em flexão, mas a banca não relativiza nossos erros, então aqui também é sem perdão. Perdeu VUNESP!

REAÇÕES ASSOCIADAS
As reações associadas definem-se como respostas automáticas anormais estereotipadas dos membros afetados resultantes de uma ação ocorrida em qualquer parte do corpo, inibindo a função por estimulação reflexa ou voluntária. Estas reações podem ocorrer quando o indivíduo se esforça para realizar uma tarefa difícil ou quando está ansioso.

Geralmente durante o andar do paciente com acometimento pós-AVE, o braço se movimenta pouco e permanece numa postura com a escápula em depressão, adução e rotação inferior. O ombro fica relativamente fixo em adução e rotação interna, com o cotovelo e mão flexionados em graus variados.

Segundo Eggers (1987) as reações associadas(ou sincinesias) são “reações estereotipadas que reforçam o padrão espástico devido a um aumento no tônus muscular”. O’sullivan (1993) afirma que as reações associadas consistem em respostas automáticas anormais do membro comprometido a uma ação ocorrida em alguma outra parte do corpo, em consequência de estimulação voluntária ou reflexa, tais como: bocejo, espirro, tosse e espreguiçamento.

Para Eggers (1987) as reações associadas podem iniciar a partir de situações de insegurança, esforço, excitação, temor e da superatividade da mão sadia ou dor. Segundo Davies (1996) relacionam-se aos efeitos nocivos das reações associadas na hemiplegia: a posição anormal flexionada do braço hemiplégico é frequentemente inaceitável ao paciente; os membros afetados fixos na posição espástica das reações associadas tornam difíceis as atividades funcionais; com o braço em constante flexão há um perigo de contratura; a posição continuamente flexionada do braço afetado torna impossível o uso funcional do mesmo e o retorno da atividade pode ser impedido; reações de equilíbrio, tanto no braço quanto na perna, são impedidos pelas reações associadas, tornando difícil à manutenção do equilíbrio corporal; e a espasticidade é aumentada em todo o lado afetado, tornando difícil todos os movimentos.

SINERGIAS
De acordo com Albuquerque (2003), sinergismo são “padrões de movimentos em massa regidos pela medula espinhal, ou seja: quando um músculo de um determinado grupo é ativado, todos os músculos pertencentes ao mesmo grupo também o são. As sinergias podem se apresentar em padrão flexor e extensor” .

A espasticidade produz características típicas como as posturas anormais e os movimentos estereotipados. A distribuição anormal do tônus é variável, sendo normalmente mais intensa em certos padrões que envolvem os músculos anti-gravíticos do hemicorpo afetado, nomeadamente, os flexores do membro superior e os extensores do membro inferior. Um hemiplégico pode apresentar padrões anormais de movimento ou sinérgicos devido ao tônus anormal, déficits sensoriais e perda das reações de equilíbrio.

Existem dois tipos de padrões anormais, sendo eles o padrão de flexão e o padrão de extensão. Das sinergias estereotipadas de movimento de hemiplégico, a que foi definida na questão proposta pode ser observada abaixo.

Sinergia Flexora na Extremidade Superior:
Flexão de punho e dedos; Flexão de cotovelo; Supinação de antebraço; Rotação externa do ombro; Abdução do ombro; Retração/elevação da escapula.

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: B

Alternativa que indico após analisar: Nenhuma

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s