FUNRIO – SESDEC/RJ 2008 – Questão 37

37. O estresse físico decorrente dos movimentos e de suas pressões ocasiona nos ossos:

A) deposição osteoblástica e calcificação na matriz óssea

B) deposição osteoclástica e calcificação na matriz óssea

C) reabsorção óssea e desmineralização da matriz

D) reabsorção óssea e deposição osteoclástica.

E) reabsorção óssea e deposição osteoblástica.

cachorro-com-osso

Só eliminando os osteoclastos da equação, podemos desconsiderar as alternativas”B” e “D”. Desmineralização da matriz? Eliminamos a “C”.

Quanto a “E”, na verdade a reabsorção óssea está ligada à atividade dos osteoclastos.

Só resta a alternativa “A”.

Células do tecido ósseo

A população de células que inclui condrócitos, osteoblastos, osteócitos, células endoteliais e células hematopoiéticas, entre outras, produzem diversos hormônios cálciotróficos sistêmicos, como o hormônio da paratireóide (PTH), estrógeno, 1,25(OH) colecalciferol (vitamina D3 ), uma variedade de reguladores biológicos que controlam o metabolismo ósseo local, autócrinos e parácrinos, incluindo citocinas, prostaglandinas (PGs) e fatores de crescimento que atuam em conjunto, regulando as atividades celulares de remodelamento do osso.

Osteoblastos

São células diferenciadas que produzem a matriz óssea, secretando colágeno e a substância fundamental, que constituem o osteóide e situam-se em aposição ao osso em formação.

Essas células também participam da calcificação da matriz, através da secreção de pequenas vesículas ricas em fosfatase alcalina para o interior desta, durante o período em que a célula está produzindo a matriz óssea. A fosfatase alcalina cliva o pirofosfato e assim remove sua influência estabilizadora, ao mesmo tempo em que aumenta o fosfato local para a cristalização. Além disso, durante o crescimento ósseo e talvez durante a remodelagem do osso adulto, os osteoblastos secretam vesículas ricas em Ca para o osteóide em calcificação (Jonhson, 2000). Pela sua solubilização no sangue, o nível sanguíneo da fosfatase alcalina óssea é geralmente usado como indicador da taxa de remoção óssea.

Osteoclastos

São responsáveis pela reabsorção óssea. São células grandes que surgem pela fusão de células mononucleadas e podem ter ate 50 núcleos. Acredita-se que os precursores dos osteoblastos se originam na medula óssea e migrem pela circulação, a partir do timo e outros tecidos retículo-endoteliais, para os sítios do osso destinados à reabsorção. Os precursores mononucleados dos osteoclastos são provavelmente atraídos para os sítios de reabsorção óssea por produtos parcialmente degradados do osteóide. A parte do osteoclasto que entra em contato com o osso se apresenta altamente pregueada e é chamada de borda estriada. Esta varre a superfície do osso, continuamente alterando sua configuração, à medida que libera ácidos e enzimas hidrolíticas que dissolvem a matriz protéica e os cristais de minerais. Quando a reabsorção é completada, os osteoclastos são inativados e perdem alguns de seus núcleos. A inativação compreende a fissuração da célula polinucleada gigante, de volta a células mononucleadas (Johnson, 2000).

Ótimas leituras sobre o assunto:

http://www.ufrgs.br/lacvet/restrito/pdf/osso_henn.pdf

http://rihuc.huc.min-saude.pt/bitstream/10400.4/1346/1/TECIDO%20%C3%93SSEO%20.pdf

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: A

Alternativa que indico após analisar: A

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s