FUNRIO – Itaboraí/RJ 2007 – Questão 37

37. A eletroestimulação muscular deve ser interrompida quando a resposta contrátil não apresentar eficácia após  um período de tratamento de:

A) três semanas

B) quatro semanas

C) um mes

D) dois meses

E) três meses

fortalecimento

A banca aqui indica alternativa “A”, três semanas, como correta. Particularmente, eu não esperaria tanto tempo para mudar de conduta terapêutica, mas essa é a alternativa que nos oferece o menor período.

Têm sido propostos dois mecanismos para o fortalecimento muscular com NMES. Primeiro, os ganhos de força podem ser conseguidos da mesma maneira que nos programas convencionais de fortalecimento usando exercícios voluntários, que usam um baixo número de repetições com altas cargas externas e uma alta intensidade de contração muscular (pelo menos 75% do máximo). O segundo mecanismo através do qual o fortalecimento pode ocorrer é o recrutamento preferencial de fibras musculares fásicas do tipo n, que têm um limiar mais baixo para NMES.

Em geral, as evidências das pesquisas não suportam o uso da estimulação elétrica para aumentar a força ou a resistência à fadiga em músculos saudáveis. Tem sido mostrado claramente que a combinação de estimulação elétrica e exercício não é mais efetiva do que apenas exercício. A estimulação elétrica para fortalecimento é útil clinicamente para prevenir a atrofia por desuso em casos que envolvem imobilização ou contraindicações para o exercício dinâmico, no início da reabilitação facilitando a contração muscular, no fortalecimento muscular seletivo ou na reeducação muscular.

Sobre seu uso em músculos desnervados, apesar de mais de um século de uso de EMS para estimular músculos nessa condição, a controvérsia quanto ao seu uso e eficácia ainda permanece. Isso é primariamente devido à variedade de protocolos de tratamento que têm sido usados para avaliar o tratamento.

Embora atualmente não haja consenso sobre o ciclo de trabalho que deve ser usado e a freqüência de estimulação ou o número de contrações que deveriam ser empregados, Snyder-Mackler e Robinson (1995) sugeriram que a EMS pode protelar a atrofia e as alterações associadas. Contudo, também observaram que não há evidências sugerindo que tal retardo seja significativo em termos da recuperação final.

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: A

Alternativa que indico após analisar: A

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s