Comentários

Saudações fisioteam!

Recentemente questionaram uma resposta de forma até pertinente, apesar de fugir do âmbito da profundidade da questão e de não alterar a resposta correta.

Mas isso foi feito de forma deselegante. Para não ficar “batendo boca”, acrescentei um texto na postagem e classifiquei o comentário como “spam”. Dessa forma qualquer novo comentário dessa pessoa a wordpress já deleta, nem chego a ler.

Estou aberto a discussão e a reparar erros quando vocês fundamentarem, mesmo em comentários mais secos, não me importo. Mas  não respondo a quem diz bobagem.

Fiquem a vontade para perguntar ou discutir o que quiserem, inclusive vocês podem responder uns aos outros nos comentários. Quem teve o primeiro comentário liberado pode comentar direto, não passa pelo filtro da wordpress nem por moderação minha.

VUNESP – IAMSP/HSPE – Questão 38

38. Com relação à escoliose, assinale a alternativa correta.

(A) Curvaturas de até 30° são consideradas leves.

(B) Cerca de 30% das escolioses são de causa idiopática.

(C) Uma escoliose moderada envolve deformidade rotacional significante das vértebras e costelas.

(D) A escoliose verdadeira pode ser causada por luxação de quadril.

(E) A osteomalácia, raquitismo, fraturas e luxações da coluna são causas da escoliose osteopática.

i38a

Na “A”, essa classificação não confere, 30º já é moderada. Na “B”, essa porcentagem é bem maior. Na”C”, como o desvio é tridimensional, e nessas três dimensões a rotação está incluída, ela não é exatamente incorreta. Mas entre as alternativas há uma de melhor adequação ao tema. Na “D”, não existe essa classificação de escoliose verdadeira ou falsa. A “E” é correta. Well, osteopática por ser relacionada a doenças e lesões vertebrais. Há uma nomenclatura meio confusa,  em breve edito aqui.

– Escoliose congênita: congênita significa “presente no nascimento”. Devido a uma anomalia óssea presente no nascimento. É o resultado de má formação de parte da coluna vertebral, e esta malformação acontece em algum momento do terceiro para sexta semana de gravidez, que é quando a coluna começa a se desenvolver. Escoliose congênita é geralmente o resultado de um lado de uma vértebra que não fecha totalmente. Os médicos chamam esse desequilíbrio de crescimento de uma hemivértebra (meia vértebra), que faz com que a coluna cresça torta. Escoliose congênita também pode ocorrer quando as vértebras não segmentam como deveriam, elas naturalmente se fundem no que é chamado uma vértebra em bloco. Que também afeta o modo como a coluna vertebral cresce.

i38b

– Escoliose neuromuscular: Um resultado anormal dos músculos ou nervos, crianças que têm um sistema neurológico em desordem, frequentemente visto em pessoas como paralisia cerebral, espinha bífida, ou distrofia muscular, pode desenvolver escoliose neuromuscular ou em pacientes com várias condições que são acompanhadas por, ou resultar em paralisia. Neste tipo de escoliose, a coluna vertebral geralmente assume uma longa curva em forma de C, porque as crianças têm troncos muito fracos e não são capazes de suportar seus corpos.

i38c

Escoliose do adulto ou degenerativa: Este tipo de escoliose torna-se aparente mais tarde na vida. Ocorre geralmente quando a doença passou despercebida ou não foi tratada durante a infância. Osteoporose, degeneração discal, uma fratura de compressão vertebral, ou uma combinação destes problemas podem contribuir para o desenvolvimento de escoliose adulta. Isto pode resultar do colapso ósseo traumático (a partir de uma lesão ou doença), a cirurgia principal anterior de volta, ou osteoporose (thining dos ossos).

i38d

Escoliose idiopática: É o tipo mais comum, “escoliose idiopática” é um termo médico que significa  “que ocorre sem causa conhecida.” Em outras palavras, não se sabe por que o paciente desenvolveu a escoliose,  não tem causa específica identificável. Existem muitas teorias, mas nenhuma foi considerada conclusiva. No entanto, há fortes evidências de que a escoliose idiopática seja herdada. A escoliose idiopática é dividida em quatro categorias:

Ecoliose idiopática infantil: termo usado para crianças menores de 3.
Escoliose idiopática juvenil:  refere-se a crianças de 3 a 9.
Escoliose idiopática do adolescente: crianças com idades entre 10 e 18 anos.
Escoliose idiopática Adulta:  termo usado para as pessoas que já atingiram a maturidade esquelética (ou seja, seus ossos estão totalmente crescidos).
Mais de 80% dos casos de escoliose é idiopática, e desses casos, 80% são escoliose idiopática do adolescente. Escoliose idiopática é mais comum em meninas.

i38e

Referência: site http://fisiomovimento.com.br/tipos-de-escoliose/, acesso em 31 de janeiro de 2017.

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: E

Alternativa que indico após analisar: E

VUNESP – IAMSP/HSPE – Questão 37

37. A dor de cabeça referida na disfunção da ATM pode estar relacionada com o espasmo dos seguintes músculos:

(A) masseter, temporal, pterigoideo interno e externo.

(B) masseter, temporal e esternocleidomastídeo.

(C) masseter, pterigoideo e esternocleidomastídeo.

(D) zigomático, temporal, pterigoideo interno e externo.

(E) zigomático, escaleno, pterigoideo interno e externo.

i37a

Oierr, voltei hehe.

A cefaleia referida por disfunções da ATM tem relação com os músculos da mastigação. Óbvio ululante.

Os músculos responsáveis pela mastigação são os seguintes:

1. TEMPORAL

i37c.png

Origem: Face externa do temporal

Inserção: Processo coronoide da mandíbula e face anterior do ramo da mandíbula

Inervação: Nervo temporal (Ramo mandibular do nervo Trigêmeo – V Par Craniano)

Ação: Elevação (oclusão) e Retração da Mandíbula

2. MASSETER

i37b

Origem: Arco zigomático

Inserção Fascículo Superficial: Ângulo e ramo da mandíbula

Inserção Fascículo Profundo: Ramo e processo coronoide da mandíbula

Inervação: Nervo massetérico (Ramo mandibular do nervo Trigêmeo – V Par Craniano)

Ação: Elevação (oclusão) da Mandíbula

3. PTERIGOIDEO MEDIAL

Origem: Face medial da lâmina lateral do processo pterigoideo do osso esfenoide

Inserção: Face medial do ângulo e ramo da mandíbula

Inervação: Nervo do pterigoideo medial (Ramo mandibular do nervo Trigêmeo – V par craniano)

Ação: Elevação (oclusão) da Mandíbula

4. PTERIGOIDEO LATERAL

Origem Cabeça Superior: Asa maior do esfenoide

Origem Cabeça Inferior: Face lateral da lâmina lateral do processo pterigoide do osso esfenoide

Inserção Cabeça Superior: Face anterior do disco articular

Inserção Cabeça Inferior: Côndilo da mandíbula

Inervação: Nervo do pterigoideo lateral (Ramo mandibular do nervo Trigêmeo – V par craniano)

Ação: Abertura da Boca e Protrusão da Mandíbula. Move a mandíbula de um lado para o outro

Esse arquivo em PDF da UNICAMP está bem completo:

http://w2.fop.unicamp.br/dos/odonto_legal/downloads/pos_especial/especializacao/mod3_musculos_mastigacao.pdf

Esse da UFMG também está ótimo:

http://depto.icb.ufmg.br/dmor/mof011/mastigacao.pdf

E esse vídeo termina de resolver qualquer dúvida sobre o assunto:

 

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: A

Alternativa que indico após analisar: A

VUNESP – IAMSP/HSPE 2011 – Questão 36

36. Dentre as lesões graves da coluna causadas pela artrite reumatoide, podem-se citar:

(A) subluxação da articulação sacroilíaca e luxações vertebrais entre C4/C5 e C5/C6.

(B) subluxação da articulação sacroilíaca e luxações vertebrais entre C5/C6 e C6/C7.

(C) subluxação da articulação atlantoaxial e luxações vertebrais entre C6/C7 e C7/C8.

(D) subluxação da articulação atlantoaxial e luxações vertebrais entre C5/C6 e C6/C7.

(E) subluxação da articulação atlantoaxial e luxações vertebrais entre C4/C5 e C5/C6.

i36.jpg

A artrite reumatoide é uma doença inflamatória crônica sistêmica, de causa desconhecida que afeta principalmente a membrana sinovial de múltiplas articulações. A prevalência na população brasileira varia de 0,2 a 1%(3). Embora possa acometer todo o eixo vertebral, o principal envolvimento ocorre na coluna cervical e, em especial, a junção craniocervical, explicado pelo fato de que occipto-C1 e C1-C2 são articulações puramente sinoviais.

Referência:

Cardoso ALP, Silva NA, Daher S, Moraes FB, Carmo HF, Avaliação da Coluna Cervical no Paciente com Artrite Reumatoide,   disponível em http://www.scielo.br/pdf/rbort/v45n2/10.pdf , acesso em 05/12/2016.

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: E

Alternativa que indico após analisar: E

VUNESP – IAMSP/HSPE 2011 – Questão 35

35. Assinale a alternativa que corresponde à característica da mastectomia radical modificada.

(A) O músculo peitoral permanece intacto.

(B) O músculo peitoral é totalmente removido.

(C) O músculo peitoral é removido parcialmente.

(D) Somente a mama é removida.

(E) Somente os nódulos linfáticos são removidos.

i35

Na mastectomia radical modificada, segundo o que andei lendo, a fascia do peitoral maior é removida. Como faz parte do músculo, não sei se podemos dizer que o músculo ficou intacto, mas é o que a banca propõe como resposta.

Fiquem com um arquivo bem legal.

http://www.mediafire.com/file/scovl2juj6ujcbw/a35_cirurgia_mamaria.pdf

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: A

Alternativa que indico após analisar: A

VUNESP – IAMSP/HSPE 2011 – Questão 34

34. Com relação ao tratamento da tromboflebite na fase aguda, assinale a alternativa correta.

(A) Repouso no leito, terapia anticoagulante sistêmica, sem elevação do membro envolvido, e exercícios passivos ou ativos de amplitude de movimento são contraindicados.

(B) Repouso no leito, terapia anticoagulante sistêmica, com elevação do membro envolvido, e exercícios passivos ou ativos de amplitude de movimento são contraindicados.

(C) Repouso parcial, terapia anticoagulante local, com elevação do membro envolvido, e exercícios passivos ou ativos de amplitude de movimento são indicados.

(D) Repouso no leito, terapia anticoagulante sistêmica, com elevação do membro envolvido, e exercícios passivos ou ativos de amplitude de movimento são indicados.

(E) Repouso parcial, terapia anticoagulante sistêmica, sem elevação do membro envolvido, e exercícios passivos ou ativos de amplitude de movimento são indicados.

i34.gif

Na fase aguda de tromboflebite, e reparem que a conduta para fase crônica não é a mesma, deve-se ficar em repouso no leito e evitar movimentos ativos ou alongamentos, pelo mesmo motivo. A elevação do membro favorece a circulação gravitacional, e a terapia anticoagulante sistêmica, que obviamente é uma conduta médica, também é necessária.

Referência:

Sobreira ML , Yoshida WB, Lastória S, Tromboflebite superficial: epidemiologia, fisiopatologia, diagnóstico e tratamento, 2007, Artigo de Revisão, Disponível em http://www.scielo.br/pdf/jvb/v7n2/v7n2a07, acesso em 03/12/2016

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: B

Alternativa que indico após analisar: B

VUNESP – IAMSP/HSPE 2011 – Questão 33

33. Na área da angiologia, a atenção aos sinais e sintomas é de suma importância para o diagnóstico e diferenciação entre doenças arteriais e venosas. Baseado nisso, assinale a alternativa que descreve esses sinais e sintomas, respectivamente.

(A) Aumento na tolerância a temperaturas quentes e frias/ edema do membro afetado.

(B) Palidez/diminuição do crescimento de pelos distais à insuficiência.

(C) Alívio da dor com elevação do membro/piora da dor com elevação do membro.

(D) Piora da dor com elevação do membro/alívio da dor com elevação do membro.

(E) Edema do membro/diminuição da temperatura da pele.

i33.jpg

Questão interessante. Vou de “Control C / Control V”. Teoricamente, elevar membro com doença arterial provoca isquemia. Elevar membro com insuficiência alivia a pressão causada por disfunção venosa.

SINAIS E SINTOMAS DE DVP

Quando os vasos colaterais compensam de forma adequada a obstrução da artéria, pode ser que não haja sintomas em repouso, todavia, quando a demanda pelo fluxo sangüíneo aumenta, por exemplo, durante caminhadas, pode ocorrer a claudicação intermitente. Os sintomas na fase final são dor em repouso, particularmente a noite, e ulceração ou gangrena.

CLAUDICAÇÃO INTERMITENTE: A palavra claudicação procede da palavra latina “claudicatio” que significa manquejar, porém os pacientes com claudicação não mancam, eles param para repousar. A dor associada a claudicação intermitente é caracterizada por cãibra ou dor contínua, freqüentemente na panturrilha. Ela ocorre ao andar e é aliviada quando a pessoa interrompe a marcha, sem a necessidade de sentar-se. A claudicação intermitente ocorre mais comumente como dor na panturrilha, porém a obstrução vascular mias alta (ex. na aorta) causará dor nas nádegas e na parte superior das coxas e freqüentemente está acompanhada de Impotência. Isso é conhecido como “Síndrome de Leriche”. A obstrução das artérias ilíacas causa dor na porção inferior da coxa.

PÉS FRIOS: É uma queixa comum em pacientes com insuficiência vascular periférica, obrigando-os ao uso de garrafas de água quente, almofadas aquecidas e compressas úmidas quentes. Essas práticas podem ocasionar intensa queimadura do pé insensível ao calor, devido à neuropatia periférica.

DOR NOTURNA: É uma forma de neurite isquêmica que geralmente precede a dor em repouso. Ela ocorre a noite, já que durante o sono a circulação é geralmente do tipo central, com diminuição da perfusão das extremidades inferiores. A neurite isquêmica resultante torna-se intensa e interrompe o sono.

DOR AO REPOUSO: A dor em repouso, geralmente indica a presença de pelo menos duas obstruções arteriais hemodinamicamente significantes. Trata-se de uma dor persistente causada por isquemia do nervo. Apresenta picos de intensidade, piora a noite e pode requerer uso de narcóticos para seu alívio. Dores noturnas e ao repouso aliviadas quando em posição pendente. Essa posição aumenta o débito cardíaco, levando a menor perfusão das extremidades inferiores e ao alívio da neurite isquêmica.

AUSÊNCIA DE PULSACÕES: Caso a zona poplítea esteja obstruída, é possível que haja diferença na temperatura da pele em ambas as áreas patelares. A pele em torno do joelho, do lado isquêmico, muitas vezes é mais quente, devido aos vasos colaterais que se formam em torno da artéria poplítea obstruída.

PALIDEZ À ELEVAÇÃO: A palidez do pé, provocada por sua elevação e o retardo do enchimento capilar venoso são indicativos de isquemia.

DEMORA DO ENCHIMENTO VENOSO APÓS A ELEVAÇÃO: Normalmente o tempo de enchimento venoso e capilar é inferior a quinze segundos. Esse tempo pode ser prorrogado para minutos, quando a extremidade está gravemente isquêmica. Um tempo de enchimento capilar venoso além de quarenta segundos, indica isquemia muito grave.

RUBOR NA POSIÇÃO PENDENTE:

As extremidades com DVP grave, apresentam rubor após a permanência em posição pendente
Os pacientes com varizes também apresentam rubor na posição pendente devido a estase venosa.

As alterações isquêmicas da pele são caracterizadas por pele fria, atrófica e brilhante, perda dos pêlos no dorso dos pés e dedos, espessamento das unhas e freqüentemente infecções fúngicas. As unhas tendem a crescer mais lentamente quando a irrigação sangüínea está diminuída. A medida que se instala nova isquemia, o tecido subcutâneo se atrofia. A pele parece brilhante e rigidamente esticada sobre o pé. Pode ocorrer ulceração desses pés vulneráveis a pequenos traumatismos. A DVP contribui para a amputação ao impedir o fornecimento de oxigênio, nutriente (necessários para a cicatrização das feridas) e de antibiótico para combater a infecção.

Referência:

http://www2.unifesp.br/denf/NIEn/PEDIABETICO/mestradositecopia/pages/dvp.htm, acesso em 2/12/2016

Alternativa assinalada no gabarito da banca organizadora: D

Alternativa que indico após analisar: D